Começando com Git

Quando damos início a um projeto de programação, a primeira questão é aonde colocaremos os arquivos com os códigos. Quem nunca guardou em um disco externo ou em um disco virtual? O grande problema é quando temos mais de um desenvolvedor no projeto. Não temos um histórico de alterações e nem o autor, fora outras questões como revertar alguma implementação que estava com um bug.

Para isso, temos o Git(o nome vem de uma gíria do Inglês Britânico para “cabeça-dura”, segundo a Git Wiki). O Git é um sistema de controle de versão(CVS), criado por Linus Torvalds, o criador do Linux.

E temos o Github e o Bitbucket, que são serviços de armazenamento de repositório Git. Assim, temos a ferramenta e onde armazenar. No Github, podemos ter repositórios gratuitamente, desde que sejam públicos, o serviço privado é pago. Quanto ao Bitbucket, podemos ter repositórios privados gratuitamente, desde que a equipe tenha no máximo 5 pessoas.

O Git é baseado em linha de comando, para os amantes da utilização do terminal, ele agrada bastante. Mas se não é chegado, também tem ferramentas gráficas que ajudaram na utilização.

Para utilizar o Git, primeiramente precisamos instalá-lo. Para mostrar as funcionalidades, vamos priorizar a linha de comando.

Instalação

Windows

Para a instalação, precisamos baixá-lo no https://git-for-windows.github.io/.

Uma dica: Eu instalo com o instalador Rails Installer, que ja vem com o Ruby, Rails e outros itens que já evitam o trabalho de instalá-los separadamente.

MacOS

Para instalar no Mac OSX (Snow Leopard ou superior), basta baixá-lo em http://sourceforge.net/projects/git-osx-installer/files/?source=navbar. Selecione a última versão.

Linux

Pelo terminal, caso esteja no Fedora, você pode usar o yum:

1
$ yum install git-core

Ou se você estiver em um Debian, como o Ubuntu, use o apt-get:

1
$ apt-get install git

Chave de segurança

Vamos usar o Github, como exemplo. Crie uma conta se ainda não tiver.

A chave de segurança será a identificação da máquina local que estará usando com o Github. Basta abrir o terminal(Git bash) e executar o commando:

1
ssh-keygen -t rsa -C "seu_email@seu_provedor.com"

Irá aparecer:

1
Enter file in which to save the key (/c/Users/hemersonvianna/.ssh/id_rsa):

/c/Users/hemersonvianna/: na sua máquina aparecerá o caminho do seu usuário.

Só pressionar a tecla enter, para manter no caminho padrão. Logo após, precisará informar a senha, que fica a seu critério informar ou não. E em seguida, a confirmação da mesma.

1
2
Enter passphrase (empty for no passphrase):
Enter same passphrase again:

Aparecerá uma mensagem parecida com essa:

1
2
3
Your identification has been saved in /c/Users/hemersonvianna/.ssh/id_rsa.
Your public key has been saved in /c/Users/hemersonvianna/.ssh/id_rsa.pub.
The key fingerprint is: ...

Agora, precisaremos informar essa chave segura, na conta do Github. Nas configurações do seu perfil do Github, na seção SSH Keys, clique em add SSH Key. Basta informar um título e o conteúdo do seu arquivo id_rsa.pub, que foi gerado na sua máquina.

Pronto! Temos o Git instalado e uma conta criada no Github. O processo para o Bitbucket é semelhante.

Clonando um repositório

Só é preciso criar um repositório no Github, para dar início e assim, clonar esse projeto criado.

Digamos que criamos o repositório teste. No meu Github a url do projeto ficaria assim:

1
https://github.com/hemersonvianna/teste

Pelo terminal(prompt de comando) na nossa máquina local, vamos entrar na pasta onde queremos que o projeto fique e iremos clonar(baixar os arquivos, juntamente com os arquivos de controle de versão do Git).

1
2
cd /e/server/github/
git clone https://github.com/hemersonvianna/teste.git

No meu caso, a pasta ficará na minha unidade E:, dentro da subpasta github. Com o comando git clone [url do projeto git], será baixado os arquivos. Agora precisamos entrar na pasta do projeto, que por padrão é o mesmo nome do projeto.

1
cd teste

Como acabamos de criar o repositório não tem nada nele, na pasta só terá uma pasta oculta .git.

Você pode ver os arquivos do projeto navegando para a pasta “repositorio” e listando os arquivos no prompt de comando:

Versionando alterações

Temos o nosso repositório na máquina e agora vamos criar algo, bem simples, como o README.md. Que é por padrão, onde colocamos as informações do projeto, por ser mostrado logo assim que entramos no respositório que fica no Github.

Vamos agora brincar com o comando touch do Unix e criar o arquivo pelo terminal :

1
touch README.md

Com ele criado, faremos uma sequência de comandos para adicionar o novo arquivo ao storage e fazer o commit do mesmo para que seja criado um objeto com um hash de identificação da alteração no repositório.

1
2
git add README.md
git commit -m "Primeiro commit"

A flag -m com a mensagem entre aspas duplas, é para customizarmos a mensagem do commit.

Agora precisamos jogar essa nossa alteração no repositório para o servidor. Para isso usaremos o comando git push( como é o nosso primeiro commit no repositório precisamos usar a flag -u, para fazer a ligação do branch local, com o branch remoto):

1
git push -u origin master

Por padrão o repositório principal é sempre o master, e quando jogamos para o servidor, precisamos informar qual é a origem. Criando outros branches a origem muda.

1
2
// Branch dev
git push origin dev

Conclusão

Essa foi apenas uma introdução, onde vimos como instalar o Git na nossa máquina. Criar uma conta em um serviço de armazenamento Git. Clonar um projeto e fazer a nossa primeira alteração. Nos próximos artigos sobre o assunto, vamos ver mais os detalhes de como trabalhar com outros branches, fazer comparações, ver histórico, fluxo e etc..

Ao fechar este aviso ou continuar navegando no site Nerd Calistênico, você aceita o uso de cookies.

Este site usa cookies para assegurar a melhor experiência para os nossos usuários. Consulte nossa política de privacidade.

Uma nova versão está disponível. Clique aqui para atualizar.