Uma Loucura de Mulher

Uma Loucura de Mulher

Lúcia (Mariana Ximenes) e Gero (Bruno Garcia) estão juntos há 15 anos. Ela acabou abandonando a dança, que era sua grande paixão, para apoiar a carreira do marido na política. Mas no dia do lançamento da pré-candidatura de Gero ao Governo do Distrito Federal, um evento acarreta em grandes mudanças em suas vidas.

Com Mariana Ximenes, Bruno Garcia, Sérgio Guizé, Miá Mello, Augusto Madeira, Guida Vianna, Zéu Britto, Luis Carlos Miéle e mais.

Título original: Uma Loucura de Mulher

Personagens em destaque: Lúcia Mariana Ximenes, Gero Bruno Garcia e Dr. Raposo Sérgio Guizé.

Infelizmente, não se tem muito a se falar desse longa. Acredito que errou mais, do que acertou. Esperava ver algo como vi recentemente na produção nacional De onde eu vejo, mas não chegou nem perto.

Atuações muito caricatas e não apresentou uma boa comédia. Muitas situações forçadas, um pouco de preguiça no roteiro, com situações muito convenientes.

Fica aquela sensação, de um longa com pessoas famosas e só. Ainda não consegui achar uma questão plausível no roteiro. Indo de tropeços na comédia a situações absurdas.

Assim, temos ingredientes que poderiam render muito mais. Você sente que não foi abordado da melhor forma possível e nem perto disso. Como no longa de referência que citei acima, temos um roteiro que além da boa construção de humor, se tem uma mensagem positiva por trás.

Nesse filme, apenas temos rostos conhecidos, com situações controvérsias. Acredito que a única mensagem que consegui tirar do filme, foi : “A política não é para amadores.”.

Mariana Ximenes, está em alto no cinema nacional, sendo o seu terceiro filme, só nesse ano. Posso dizer que o ator Sérgio Guizé, marcou presença com a sua atuação. Infelizmente, sempre quando ele falava, me lembrava de Selton mello, pela voz parecida.

O grande tiro no pé do longa, é sempre se referir as personagens femininas como loucas e adjetivos similares. Ainda vemos muito isso, nas comédias do cinema. Elas estão conseguindo ganhar seu espaço na comédia, mas ainda é preciso ser revisto esse ponto de vista, no sentido de esteriótipo.

Conclusão

Temos uma comédia nacional, que não sabe acertar o tom. Situações sem sentido e na verdade, pouca comédia. Caí naquela questão, de que só foi feito, porque estava no contrato fazer X filmes. Não vejo outra explicação.

Ao fechar este aviso ou continuar navegando no site Nerd Calistênico, você aceita o uso de cookies.

Este site usa cookies para assegurar a melhor experiência para os nossos usuários. Consulte nossa política de privacidade.

Uma nova versão está disponível. Clique aqui para atualizar.